Como se adaptar a uma dieta vegana


O veganismo vai muito além de apenas uma dieta – é um estilo de vida que visa excluir, dentro do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade animal.

Os veganos escolhem não consumir alimentos de origem animal, como carne, laticínios, ovos e mel, e também evitam o uso de produtos derivados de animais, como couro, lã e seda.

Essa escolha pode ser motivada por diversos motivos, incluindo preocupações com o bem-estar animal, saúde pessoal, sustentabilidade ambiental e até mesmo questões éticas e morais.

Muitos veganos optam por viver em harmonia com os animais e o meio ambiente, buscando reduzir o impacto negativo que nossas escolhas podem ter sobre eles.

Além disso, o veganismo está se tornando cada vez mais popular à medida que as pessoas se conscientizam sobre as questões éticas, ambientais e de saúde associadas ao consumo de produtos de origem animal.

Isso tem levado ao surgimento de uma ampla variedade de produtos veganos no mercado, desde alimentos processados até roupas e cosméticos, tornando mais fácil para as pessoas adotarem esse estilo de vida.

No entanto, é importante lembrar que o veganismo não se resume apenas à dieta, mas também envolve conscientização e ativismo em prol dos direitos dos animais e da proteção do meio ambiente.

Trata-se de fazer escolhas compassivas e sustentáveis que reflitam nossos valores e contribuam para um mundo mais justo e equilibrado para todas as formas de vida.

Se você quer tentar trazer a dieta vegana para a sua vida, o AnaMaria Receitas trouxe dicas que irão te ajudar nesse processo!

  • Antes de começar, é útil aprender sobre os nutrientes essenciais que você precisa obter em uma dieta vegana, como proteínas, ferro, cálcio, vitamina B12 e ômega-3. Isso ajudará você a garantir que faça escolhas alimentares equilibradas e nutritivas.
  • Não sinta que precisa fazer a transição para uma dieta vegana da noite para o dia. Você pode começar gradualmente, substituindo uma ou duas refeições por dia por opções veganas e experimentando novas receitas aos poucos.
  • Experimente uma variedade de frutas, legumes, grãos, leguminosas, nozes e sementes para descobrir novos sabores e texturas. Isso ajudará você a diversificar sua dieta e garantir uma ingestão adequada de nutrientes.
  • Existem muitos substitutos de carne, leite, queijo e ovos disponíveis no mercado que podem facilitar a transição para uma dieta vegana. Experimente diferentes marcas e produtos para encontrar os que você mais gosta.
  • Faça um plano de refeições semanal para garantir que você tenha ingredientes veganos à mão e não se sinta tentado a recorrer a opções não veganas por conveniência. Isso também pode ajudar a economizar tempo e dinheiro.
  • Prepare suas próprias refeições sempre que possível. Cozinhar em casa não apenas permite que você tenha controle total sobre os ingredientes, mas também pode ser mais econômico e saudável do que comer fora.
  • Esteja disposto a experimentar novos alimentos e receitas. A transição para uma dieta vegana pode ser uma oportunidade emocionante de descobrir novos pratos e expandir seu repertório culinário.
  • Procure comunidades online ou grupos locais de veganos para obter suporte, compartilhar dicas e receitas, e se conectar com outras pessoas que estão passando pela mesma jornada.

Gostou das dicas? Veja também: Benefícios da cafeína para a saúde!

Veganismo: entenda a prática alimentar que gerou dúvida no BBB24


A palavra veganismo ficou entre os assuntos mais comentados do momento após Davi, um dos participantes do BBB24, questionar sua colega de confinamento sobre o que é ser vegano. Para ele, se a cantora Wanessa Camargo não come nada de origem animal, bastava tirar a linguiça calabresa do prato na hora de se servir, o que não é verdade. 

O momento repercutiu nas redes sociais e gerou dúvidas acerca do motivo pelo qual os adeptos não poderiam “tirar a linguiça na hora de comer”. Por isso, o AnaMaria Receitas traz algumas curiosidades sobre o veganismo e o estilo de vida dos apoiadores da causa. Confira!

O que é o veganismo? 

O veganismo é um movimento no qual seus praticantes evitam, dentro do possível, todas as formas de exploração e crueldade animal, seja na alimentação, no vestuário ou em qualquer outra finalidade. Isto é: o estilo de vida vegano exclui todos os produtos derivados de animais. Também promove o uso de alternativas que não possuam essa matriz. Por esse motivo, se a comida tiver algum ingrediente de origem animal, mesmo que não seja consumida pela pessoa, já deixa de ser vegana.

Como o veganismo surgiu 

O veganismo passou a ser discutido no começo da década de 1940. Foi nessa época que alguns especialistas se opuseram abertamente ao consumo de ovos e laticínios. Contudo, o termo “vegan” só foi criado em 1944 pelo carpinteiro inglês Donald Watson, futuro criador da The Vegan Society, instituição que propaga essa filosofia. 

Alguns anos depois, Leslie J Cross, vice-presidente da organização na época, sugeriu que os objetivos da causa fossem definidos com clareza. Assim, a prioridade seria a luta pelo fim da exploração animal em diversos âmbitos, e não apenas na alimentação.  

CONFIRA AS 5 MELHORES RECEITAS VEGANAS, PARA SE DELICIAR!

Principais benefícios 

Aderir ao veganismo pode significar ainda mais do que só evitar o consumo de alimentos e produtos à base de animais. De acordo com estudos recentes, essa dieta tem sido associada a diversos benefícios para a saúde, como a redução do risco de doenças cardiovasculares e o controle do peso corporal. 

Além disso, a forma de alimentação vegana também está ligada à melhora na saúde da pele e do aparelho digestivo, ao controle da diabetes tipo 2, redução do risco de alguns tipos de câncer e menor incidência de doenças crônicas.

As 5 melhores receitas veganas para se deliciar


Conforme a The Vegan Society, o veganismo é a filosofia de um modo de vida que procura excluir, dentro do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade para com os animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito. Esse tipo de alimentação inclui todos os tipos de grãos, leguminosas, verduras, legumes, frutas e, a partir deles, são incontáveis as receitas veganas criadas para incrementar e moldar a dieta e alimentação vegana.

É possível que o cardápio de alguém que segue essa filosofia de vida seja substituível, para que a quantidade de nutrientes e vitaminas se mantenha saudável. Por isso, o AnaMaria Receitas traz as 5 melhores receitas veganas para agradar ao seu paladar.

Salpicão Vegano

Você já pensou em uma receita vegana de salpicão? Dennis Sloboda mostra que é possível e, além de deliciosa, trata-se de uma receita fácil e rápida de se fazer. Com ingredientes acessíveis, é possível chegar a um resultado maravilhoso.

Salpicão vegano
Salpicão vegano

Pãozinho Vegano

O pão é um dos primeiros alimentos da história e não é porque você escolheu um estilo de vida diferente, que precisa abdicar dessa delícia tão fácil de fazer. Com apenas alguns minutos, o seu café da tarde fica ainda mais completo e gostoso.

Pãozinho vegano
Pãozinho vegano

Caldo verde vegano

No friozinho não tem nada mais saboroso do que um caldo verde para se aquecer. Essa receita é uma opção sem adição de ingredientes animais, tão boa quanto a tradicional.

Caldo verde vegano
Caldo verde vegano

Brigadeiro Vegano

Com essa receita rápida e fácil, é possível matar a vontade de um docinho com um brigadeiro vegano feito com pasta de amendoim e cacau em pó.

brigadeiro vegano
brigadeiro vegano

Bolo vegano de chocolate

Molhado, doce e muito simples de fazer. Esse bolo vegano de chocolate precisa de apenas 20 minutos de preparo, para um resultado delicioso e fofinho. Perfeito para qualquer momento.

Bolo vegano de chocolate
Bolo vegano de chocolate

O que uma pessoa com intolerância à lactose perde ao não consumir leite?


De uns tempos para cá tem crescido a popularidade de produtos sem lactose, principalmente no mundo fitness. Isso tem potencializado o pensamento de que talvez a lactose não seja um componente saudável para o nosso organismo. Mas será que isso é real? Responda essa pergunta de uma vez por todas com o AnaMaria Receitas e veja como o leite é importante para nossas vidas!

Afinal, o que é lactose?

Nas aulas de biologia e química aprendemos que as substâncias que terminam com “ose” são açúcares, e o mesmo vale para a lactose que, no caso, é o açúcar do leite. Mas calma, não é aquele açúcar “venenoso” que vemos nos alimentos processados. A lactose é um açúcar perfeitamente natural do leite, assim como a frutose é o açúcar natural das frutas. É esse nome “açúcar” o que tem assustado muita gente, mas ela vai muito além disso. 

De acordo com o “MilkPoint”, o maior portal sobre informações da indústria láctea do mundo, o leite é extremamente necessário para o desenvolvimento do ser humano e principalmente em seus primeiros anos de vida. Além de ser a principal fonte de fósforo, cálcio, vitamina A, B2 e B12. Todas elas são importantes para o bom funcionamento do organismo e conseguimos encontrá-las em um simples copo de leite, incrível, não?

Por sua vez, a lactose em si é essencial no desenvolvimento de bebês e crianças. O seu baixo índice glicêmico é benéfico para a saúde infantil: mais energia com menos açúcar. Além disso, a galactose presente na lactose é um nutriente importantíssimo para o desenvolvimento do cérebro dos bebês e ainda é a principal fonte de energia para eles. 

Para os adultos, o grande benefício da lactose está no baixo índice glicêmico. Esse benefício está mais ligado à diabetes tipo 1 e 2 e principalmente na redução de risco do segundo tipo da doença. Fora isso, há vantagens ligadas ao bom funcionamento do intestino com o desenvolvimento de bactérias boas que protegem o trato intestinal de infecções. Mas se a lactose é tão boa para os adultos, por que algumas pessoas são intolerantes?

Intolerância à lactose

Segundo o MilkPoint, estima-se que 70% da população mundial é intolerante à lactose. A intolerância vem da falta da enzima especial lactase, responsável por digerir a lactose no intestino humano. Geralmente, nascemos com essa enzima em grande quantidade para conseguir digerir o leite materno que, curiosamente, tem mais concentração de lactose do que o leite de vaca. No entanto, é bem comum a quantidade de lactase diminuir enquanto crescemos e daí nasce a intolerância à lactose. 

Os motivos para isso acontecer não são tão claros e o mais aceito é a seleção natural e evolução do homem. Isso porque, interessantemente, o percentual de intolerantes à lactose varia conforme o país. O número estimado no Brasil é 40% da população é intolerante, mas esse número aumenta na Ásia, por exemplo. A conclusão científica é que em países onde o consumo de leite é maior, há menos intolerantes, por uma simples evolução do homem. No entanto, essa evolução é um tanto aleatória e aí entra a seleção natural. 

Outro ponto interessante é que o ser humano é o único mamífero que consome leite depois de adulto. Isso é um dos motivos do porquê diminuímos a quantidade de produção de lactase depois da infância. E além de continuar consumindo leite, consumimos um leite que não é nosso, o que também é bem estranho do ponto de vista natural. 

Mas continuando sobre a intolerância em si, cerca de 80% dos intolerantes não recebem diagnóstico médico, isso porque não é tão horrível assim. Os sintomas incluem flatulência, dores abdominais, distensão abdominal e diarreia. Alguns casos são mais sérios e precisam de acompanhamento médico contínuo e mesmo em casos mais leves, a consulta médica é bem importante para que haja a complementação de vitaminas e nutrientes que serão perdidas com a falta do consumo do leite. 

Dietas sem leite são saudáveis?

Veganismo e o consumo de leite
Veganismo e o consumo de leite/ Foto: Pixabay

Além dos casos de intolerância ou alergia à proteína do leite, existem muitas pessoas que escolhem deixar de consumir lactose em busca do emagrecimento e fazem isso por conta própria, o que é extremamente perigoso. 

Não existem estudos que comprovem que deixar de tomar leite ajuda a emagrecer, porém algumas outras pesquisas estão levantando alguns problemas de saúde resultantes do alto consumo de leite a longo prazo. Nessa dualidade de opiniões, o que se pode fazer é buscar pelo equilíbrio e consumir o leite sem muitos exageros nem faltas. 

Além disso, existe a dieta vegana ou ovovegetariano que, pelo cuidado aos animais e ao meio ambiente, escolhem retirar o consumo de laticínios de suas dietas por completo. Isso é uma pauta bem relevante, uma vez que a indústria láctea é bem cruel com a natureza em um geral. 

Porém, seja qual for o motivo, se o objetivo é excluir totalmente o leite e seus derivados de sua dieta, é fundamental a consulta com um nutricionista ou nutrólogo antes de fazer essa mudança radical. Afinal, eles te indicam se o seu organismo está apto a viver sem os nutrientes do leite e sugerem suplementos para o bem da sua saúde. 

O ideal, na verdade, é consumir o leite de forma equilibrada, uma vez que a lactose faz bem para pessoas sem intolerância ou alergias.