10 fatos surpreendentes sobre comida que você não sabia


Muitas pessoas não têm conhecimento dos mitos e curiosidades fascinantes sobre os alimentos e a culinária. Por trás de cada refeição, há uma rica história e uma série de fatos surpreendentes que frequentemente passam despercebidos. Desde ingredientes comuns até técnicas de preparo exóticas, o mundo da comida está repleto de segredos interessantes que merecem ser explorados.

Um mito comum é que o leite cru é mais nutritivo do que o leite pasteurizado. Embora o leite cru possa conter enzimas naturais benéficas, também pode ser uma fonte de bactérias nocivas. A pasteurização, processo de aquecimento do leite para matar microorganismos patogênicos, é importante para garantir a segurança alimentar.

Além dos mitos, existem também curiosidades fascinantes sobre alimentos específicos. Por exemplo, você sabia que a fruta do dragão, também conhecida como pitaya, cresce em cactos? Sua aparência vibrante e exótica é uma adição intrigante à culinária e tem despertado o interesse de chefs e entusiastas da comida em todo o mundo.

Esses são apenas alguns exemplos de como o mundo dos alimentos está repleto de mitos e curiosidades que frequentemente escapam ao nosso conhecimento.

O AnaMaria Receitas decidiu fazer uma seleção com as curiosidades mais interessantes sobre os alimentos e que você provavelmente não sabia!

  1. Ovos podem ser classificados por cores de casca, mas isso não afeta seu valor nutricional. A cor da casca do ovo depende da raça da galinha e não tem relação com seu conteúdo interno. Ovos brancos, marrons e até azuis podem ser igualmente nutritivos.
  2. Maçãs flutuam em água porque 25% de sua massa é composta de ar. A estrutura porosa das maçãs permite que uma parte significativa de sua massa seja composta de ar, o que faz com que sua densidade seja menor que a da água, permitindo que elas flutuem.
  3. O chocolate foi originalmente consumido como uma bebida amarga e picante, não como um doce. As civilizações mesoamericanas valorizavam o chocolate por suas propriedades energéticas e medicinais. Eles preparavam uma bebida espessa e amarga misturando grãos de cacau torrados e moídos com água e especiarias.
  4. O molho de soja não é apenas um condimento, mas também uma fonte de antioxidantes e compostos anticancerígenos. O molho de soja é produzido a partir da fermentação de soja e grãos de trigo, durante a qual são gerados compostos benéficos para a saúde, como as isoflavonas, que possuem propriedades antioxidantes e potencialmente anticancerígenas.
  5. As bananas são geneticamente idênticas entre si. Todas as bananas cultivadas comercialmente pertencem à mesma variedade, conhecida como Cavendish, e são clones umas das outras.
  6. A pimenta não é realmente um “gosto”, mas sim um “sinal de dor”. A capsaicina, composto responsável pelo ardor das pimentas, ativa os receptores de dor na boca, enviando sinais ao cérebro que são interpretados como uma sensação de queimação.
  7. O wasabi verdadeiro é muito mais raro do que a maioria das pessoas pensa. O verdadeiro wasabi é feito a partir da raiz da planta Wasabia japonica, que é difícil de cultivar e requer condições específicas de crescimento.
  8. O ketchup originalmente não continha tomate. O ketchup era feito de ingredientes como anchovas, cogumelos, nozes ou frutas, e sua versão moderna de tomate só se tornou popular nos Estados Unidos no século XIX.
  9. O queijo azul é produzido por fungos. Durante o processo de fabricação, fungos como Penicillium roqueforti ou Penicillium glaucum são introduzidos deliberadamente no queijo para desenvolver os veios azuis distintivos responsáveis pelo seu sabor característico.
  10. A cenoura não era originalmente laranja. Antes do século XVII, as cenouras cultivadas na Europa eram predominantemente roxas, brancas ou amarelas. A cor laranja tornou-se mais predominante depois que os agricultores holandeses desenvolveram variedades laranjas em homenagem à família real holandesa, a Casa de Orange.
Essas são apenas algumas curiosidades que demonstram a diversidade e a complexidade dos alimentos que consumimos diariamente. A natureza é cheia de surpresas!
Gostou das curiosidades? Veja também mentiras sobre alimentação que sempre te contaram!

Benefícios de envolver a criança na preparação da lancheira


A alimentação na infância desempenha um papel crucial no desenvolvimento físico, mental e emocional da criança. Além dos fatores genéticos, responsáveis por 70% das causas de obesidade, o estilo de vida na fase pediátrica também influencia no assunto. As telas dos smartphones, vídeo games, a baixa qualidade nutricional dos alimentos consumidos e a falta de exercícios físicos contribuem para que a obesidade infantil atinja patamares assustadores.

Segundo o Atlas da Obesidade 2022, publicado pela World Obesity Federation, prevê-se que 23,12% das crianças de 5 a 9 anos e 18,60% dos adolescentes de 10 a 19 anos serão afetados pela obesidade até 2030, totalizando 44 milhões de crianças e adolescentes em todas as Américas. No Brasil, a estimativa é de 7,7 milhões de crianças com obesidade até o mesmo ano.

Como montar uma lancheira saudável

Pensando que a criança passa boa parte do tempo na escola, uma lancheira saudável não apenas fornece a energia necessária para as atividades escolares, mas também contribui para a formação de bons hábitos alimentares para o resto da vida. “Antes de mais nada, uma lancheira equilibrada deve conter uma combinação de alimentos de diferentes grupos, como frutas, vegetais, proteínas, carboidratos e laticínios. Isso assegura que a criança receba nutrientes essenciais para o seu crescimento e desenvolvimento. Além disso, optar por alimentos naturais e minimamente processados é sempre uma escolha mais saudável”, explica a endocrinologista Dra. Lorena Lima Amato.

Evitar excesso de açúcar e gorduras saturadas é outro ponto muito importante. A especialista orienta que doces, bolachas recheadas e refrigerantes devem ser excluídos da lancheira, dando preferência a opções mais nutritivas. Além disso, os biscoitos industrializados devem ser evitados, dando prioridade aos biscoitos integrais e preferencialmente caseiros, que são alternativas mais saudáveis.

Ademais, a lancheira também é uma oportunidade para incentivar o consumo de frutas e vegetais. Cortar frutas em pedaços pequenos ou criar opções criativas, como espetinhos de frutas, pode tornar esses alimentos mais atrativos para as crianças. Ainda, Dra. Lorena ressalta a importância de considerar restrições alimentares e preferências individuais. Conhecer as necessidades específicas da criança, como alergias ou intolerâncias alimentares, ajuda a criar uma lancheira personalizada e segura.

“A participação da criança na escolha dos alimentos pode ser uma estratégia eficaz para promover o interesse por uma alimentação saudável. Envolvê-la na preparação da lancheira e explicar a importância de cada alimento contribui para a formação de hábitos alimentares conscientes”, comenta a endocrinologista.

VEJA TAMBÉM: DICAS PARA MONTAR UMA MARMITA SAUDÁVEL!

Carnaval: saiba como evitar a ressaca e aproveitar a folia


Um dos maiores temores dos foliões durante o Carnaval é perder os dias de festa por conta do surgimento da ressaca. Ao consumir bebida alcoólica, o fígado se prepara para metabolizar o etanol, ou seja, transformá-lo em uma substância possível de ser eliminada, uma vez que o álcool em abundância é tóxico para o organismo. Assim, é importante saber quais são as causas do problema e como agir para evitá-lo e curá-lo.

Diante disso, o AnaMaria Receitas consultou as nutricionistas Marina Gomes e Laís Murta para explicar melhor o assunto e dar dicas de como lidar com a situação. Confira!

O que é a ressaca?

A ressaca é um conjunto de sintomas causado pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas, que resulta no aumento da atividade do fígado para eliminar o excesso de álcool do sangue. Segundo Marina Gomes, o processo de metabolização envolve a transformação do etanol em acetaldeído e depois em ácido acético. “Os sintomas da ressaca se dão pelo aumento da concentração desse acetaldeído, que também é tóxico e se deposita em diversos órgãos, prejudicando suas funções. Isso, somado a desidratação causada pelo álcool, piora os sintomas no dia seguinte”, explica a nutricionista.

Pré-Bloquinho

Antes do bloquinho de rua começar, garanta que você está bem alimentado e hidratado. Faça uma refeição equilibrada com carboidratos e proteínas. Dessa forma, você torna a absorção do álcool pelo intestino mais lenta, permitindo ao fígado mais tempo para metabolizar a substância.

Laís Murta complementa que, antes da folia, a recomendação é optar por refeições mais leves e naturais, evitando quantidades exageradas de frituras, fast foods e carboidratos, como arroz e macarrão. Ao ingerir os alimentos certos, é possível se jogar nos blocos, trios, ou avenidas com muita disposição. Para dar energia e garantir resistência ao organismo, a nutricionista indica um suco natural de melancia e morango que, além de energético, é super saudável:

Suco de Melancia e Morango

Suco de melancia e morango
Suco de melancia e morango

Ingredientes: 

  • ¼ de fatia de melancia
  • 5 morangos (de preferência orgânicos)
  • 100 ml de água de coco

Modo de Preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva em seguida.

Durante o Bloquinho

Durante o evento, é importante intercalar o consumo de bebida alcoólica com água, água de coco ou, até mesmo, isotônicos. Sempre que possível, lembre-se de ingerir algo não alcoólico. Além disso, beber devagar e de forma moderada também facilita o trabalho do fígado. Outra dica é evitar passar por longos períodos sem se alimentar. Assim, faça paradas estratégicas para consumir boas fontes de carboidrato enquanto curte o carnaval.

Pós-Bloquinho

Após curtir quatro dias de folia, uma coisa é certa: a ressaca chega com tudo no dia seguinte e não perdoa ninguém. Resta a indisposição física e um desconforto que pode durar, em média, até três dias. Sendo assim, as nutricionistas sugerem o consumo de carboidratos complexos, como grãos integrais (linhaça, chia e amaranto) e frutas desintoxicantes, como abacaxi, hortelã e gengibre. Dessa forma, é possível ajudar na desintoxicação do corpo e, principalmente, na eliminação das toxinas por diurese.

Também é indicado consumir suplementos à base de fosfatidilcolina, cardo-mariano, ácido lipóico e coenzima Q10, que ajudam no processo de detox do fígado. Além disso, ingerir alimentos que são fontes de Zinco e Vitamina B3, tais como proteínas magras, ovos, folhas e legumes, frutas, raízes e cereais pode acelerar a recuperação. Contudo, o mais importante é caprichar na hidratação o dia todo. Para isso, água de coco e isotônicos são ótimas opções.

BBB24: o que é a compulsão alimentar, relatada por Yasmin Brunet?


Yasmin Brunet, participante do BBB24, revelou que estar confinada na casa mais vigiada do Brasil tem afetado a sua compulsão alimentar. “Eu estou completamente descompensada na alimentação, eu estou muito ansiosa. Eu já tive questões alimentares, então, estou depositando absolutamente tudo na comida”, expôs a modelo durante um Raio-X, no confessionário.

A fala rapidamente repercutiu nas redes sociais, o que gerou dúvidas acerca do significado da condição. Por isso, o AnaMaria Receitas conversou com o psicólogo Yuri Busin, mestre em Neurociência do comportamento, e com o endocrinologista Renato Zilli, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, para entender mais sobre a compulsão alimentar. Confira!

O que é a compulsão alimentar?

“A compulsão alimentar é um distúrbio caracterizado por vários episódios de ingestão rápida e excessiva de alimentos, que pode gerar, até mesmo, um desconforto para a pessoa”, explica Busin. Ademais, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 5% dos brasileiros sofre com o problema, que atinge cerca de 2,5% da população mundial.

Um dos principais sintomas é o prazer infindável pela comida. Neste caso, não importa se é ao longo do dia ou no meio da madrugada, o indivíduo sente a necessidade de ir atrás do alimento de maneira desenfreada. Além do consumo exagerado de comestíveis, a compulsão alimentar também pode causar sentimento de culpa e vergonha, dificuldade em parar de comer e o hábito de alimentar-se muito rápido.

Causas e consequências

Existem diversos gatilhos que podem desencadear a compulsão alimentar. Contudo, Renato Zilli alerta para outras possíveis causas do quadro clínico. “Como todo transtorno, ele tem uma base genética, mas também é influenciado por fatores ambientais. Ou seja, o estilo de vida da pessoa, somado a fatores genéticos, pode aumentar o risco de ansiedade, depressão e, com isso, a compulsão alimentar”.

Com o passar do tempo, o transtorno afeta o organismo e é capaz de gerar diversas consequências, como doenças cardíacas e diabetes. Ainda por cima, o sentimento de culpa provoca um comportamento compulsivo, que compromete a regularização do metabolismo e leva à obesidade. 

Diferença entre compulsão alimentar e fome emocional

Diferente da compulsão alimentar, a fome emocional é desencadeada por aspectos emocionais, ou seja, está diretamente ligada à presença de emoções exageradas. Isto é: se a pessoa estiver triste, estressada ou entediada, por exemplo, ela vai atrás da comida para compensar aquilo que está sentindo. Além disso, o quadro é caracterizado pela ausência de sintomas fisiológicos de fome, que são aqueles que aparecem de forma natural com o passar do dia. 

Busin explica que, ao contrário da compulsão alimentar, a fome emocional não está associada com a ingestão excessiva de alimentos e pode não ter um envolvimento com a perda do controle. No entanto, o psicólogo adverte sobre uma possível fusão entre os casos. “Às vezes, ambas as condições podem se sobrepor. Então, não necessariamente uma pessoa que tenha compulsão alimentar não terá fome emocional e vice-versa. Por isso, é muito importante que os indivíduos busquem ajuda e, consequentemente, tenham uma qualidade de vida melhor”. 

Mileide Mihaile relembra 1ª lembrança culinária da infância


Na cozinha, os pratos são bem mais do que uma combinação de ingredientes. Qualquer receita pode se transformar em algo profundo, que expõe narrativas e revela segredos que passam de geração em geração. Nesse lugar, as memórias afetivas surgem a cada aroma e dão espaço a histórias singulares de quem as prepara.

Em um convite irresistível aos sentidos, o quadro ‘Sabores que contam histórias’, do AnaMaria Receitas, adentra o universo gastronômico e traz a influenciadora digital Mileide Mihaile, capa da Revista AnaMaria, para visitar a nossa cozinha e nos contar um pouco mais sobre a sua relação com a culinária e o quanto isso ajuda na união da família. Confira!

Primeira lembrança culinária da infância

Mileide conta que a primeira coisa que vem à sua mente é o prato Galinha Caipira, que costumava ser feito sempre no almoço. “É a minha cara, é a cara da minha mãe e é uma das nossas receitas favoritas, típica não só do Maranhão, mas do Nordeste inteiro”, comenta. A galinha caipira, diferentemente do frango criado em granja, possui carne mais firme, que proporciona uma mastigação mais lenta. Além disso, a receita leva diversos temperos e, em alguns casos, até farinha de mandioca.

Uma forma de preservar a cultura familiar

A culinária, assim como outras tradições familiares, é uma manifestação cultural que diz muito sobre a história das pessoas. Dessa forma, um modo de manter isso vivo é fazendo com que as novas gerações conheçam o preparo do alimento e entendam a sua importância.”Tenho essa lembrança de todo mundo se juntando à mesa, conversando e dando um pouco de opinião quanto ao preparo da galinha, e tento sempre preservar isso. Hoje, repasso para o meu filho e para quem convive conosco”, relata a influenciadora.

Aromas que despertam memórias

A memória olfativa, de acordo com especialistas, é uma das mais duradouras, ultrapassando, até mesmo, a capacidade da visão e audição de reter referências. “Eu lembro que eu chegava da escola, na hora do almoço, e meus avós estavam sempre passando um cafezinho. Então, o aroma do café me traz memórias dessa época, do café tarde dos meus avós”, conta Mihaile. Isso acontece, pois, quando sentimos os aromas, ativamos o sistema límbico, diretamente ligado às emoções, ao humor e à memória.

Relação da culinária com momentos felizes

Além de ser uma necessidade biológica, a alimentação também atua na forma como nos relacionamos com os outros. Para Mileide Mihaile, seus momentos mais especiais sempre acabam se relacionando à comida: “Toda vez que vamos nos reunir, sempre estamos à mesa. No final do ano, por exemplo, todas as confraternizações giram em torno do comer e beber. Então, isso me traz à memória todas as ocasiões mais felizes da minha vida”.

Prepare um almoço com as sobras das ceias!


As ceias de Natal e Ano Novo envolvem muita comida, então é comum ter algumas sobras após as refeições. Porém, você pode evitar o desperdício com receitas que reaproveitam os ingredientes dos pratos principais. E o melhor de tudo é que metade do caminho já está feito, só basta usar a imaginação e abusar da criatividade!

Então, não perca tempo e veja como fazer opções deliciosas com os restos do menu das ceias com o AnaMaria Receitas. Confira!

Bolinho de Arroz

Foto de Bolinho de arroz
Bolinho de arroz

Um aperitivo simples e cheio de sabor! Faça essa receita deliciosa de Bolinho de Arroz para aproveitar o arroz que sobrou e transforme-o em um ótimo acompanhamento. E não se preocupe se as sobras não são de arroz branco puro. Fazer essa receita com arroz à grega, com lentilhas ou bacalhau fica ainda mais saboroso!

Salada de Frango com Amendoim

Salada de Frango com Amendoim
Salada de Frango com Amendoim

Frango desfiado ou cortado em tiras pode ser reaproveitado em uma salada surpreendente. Pode funcionar como uma entradinha, acompanhamento ou até mesmo como prato principal. Tudo depende da quantidade de frango, vegetais e legumes que você tem disponível. Seja como for, ficará muito gostoso!

Arroz Carreteiro

Foto de receita de arroz carreteiro
Arroz carreteiro

O Arroz Carreteiro é um dos clássicos quando o assunto são as sobras do churrasco. No entanto, você pode utilizar os pedaços de peru, tender ou chester para compor a receita, além do resto das guarnições: batatas, cebolas e tomates, por exemplo. O negócio é deixar a criatividade fluir e, como já está tudo preparado, fazer o arroz carreteiro será fácil e o resultado será delicioso!

Bebeu demais? Confira algumas dicas para se livrar da ressaca!


Quem nunca ficou de ressaca após um dia de bebedeira que atire a primeira pedra. Não se preocupe, há maneiras de se livrar do enjoo, dor de cabeça e sonolência com alimentos que ajudam o corpo a se recuperar de uma noite cheia. Mas lembre-se: exagerar na bebida é perigoso e não deve virar um hábito! Dito isso, confira a lista de alimentos e receitas perfeitas para esse momento de repouso que o AnaMaria Receitas separou!

Água

A ressaca é nada mais nada menos do que sinais de desidratação do seu corpo, por isso, a sua maior aliada nesse momento é a água. E para um resultado ainda melhor, beba água antes, durante e depois dos copos de álcool.

Ainda existem alimentos que podem complementar o funcionamento da água. Veja a lista de alimentos perfeitos para manter seu corpo hidratado!

Gengibre

Cheio de benefícios, o gengibre consegue fortalecer seu sistema imunológico e ainda na indigestão comum da ressaca. Existem várias maneiras de incluí-lo no seu cardápio, mas a opção mais interessante e fácil de preparar é o chá cura ressaca do AnaMaria Receitas. Confira o passo a passo no site!

Melão, banana, laranja e acerola

Todas as frutas são ótimas para o nosso organismo, mas na hora da ressaca prefira o melão, banana, laranja ou acerola. Além de serem hidratantes, essas frutas contêm potássio e vitamina C e são bem hidratantes também (o melão chega a conter 90% de água em sua composição). Então a dica é, antes de sair, deixar uma salada de frutas prontinha na geladeira para se preparar para a ressaca do próximo dia!

Macarrão

Sabe aquela história que o doce quebra o efeito do álcool? Não passa de um mito. A verdade é que quando bebemos demais, o nível de glicose no sangue fica muito prejudicado e pode levar à hipoglicemia com sintomas como dor de cabeça, sudorese e fome excessiva. 

Carboidratos podem ajudar a colocar a glicemia no lugar certo e uma opção é o macarrão. Além de ser incrivelmente saboroso, geralmente é um prato muito simples de preparar – ótimo para o cansaço depois da bebedeira. Veja como preparar esse macarrão ao forno com requeijão do AnaMaria Receitas!

Hortelã

Além de proporcionar um bom hálito no seu chiclete, a hortelã é muito bem-vinda para tratar enjoos e dores estomacais depois do exagero do álcool. Você pode preparar um chá da erva ou uma sopa de cenoura de hortelã, saborosa e nutritiva do jeito que você precisa!

O que não comer?

Evite frituras, açúcar, sal e comidas muito gordurosas. Seu estômago e fígado já ficam bem fatigados depois de uma noite cheia de álcool, então tente poupá-los comendo alimentos mais limpos e saudáveis. 

Não se esqueça de descansar, ou seja, sem beber demais com muita frequência. Afinal, o álcool deixa seu sistema imunológico fragilizado e, sem o descanso necessário, você ficará mais propenso a ficar doente.  

Aprenda a fazer um bolo supermolhadinho


Um bolo molhadinho pode ser tudo que você precisa para acompanhar o café da manhã e já começar o dia com o pé direito e com água na boca. No entanto, o AnaMaria Receitas entende que nem sempre conseguimos atingir a textura que queremos pro nosso bolo. Por isso, vamos te ensinar algumas artimanhas especiais para que você nunca mais se contente com um bolo ressecado.

 

Óleo na sobremesa

Pode parecer diferente, mas trocar a manteiga pelo óleo na hora de preparar seu bolo pode trazer uma mudança enorme no resultado final da sua massa. Em geral, qualquer sobremesa feita com essa troca de ingredientes garante um resultado molhadinho por muito mais tempo.

 

Leite integral

Outra dica bem simples que pode fazer uma boa diferença é essa simples troca, nem de ingrediente, mas apenas do tipo utilizado. Acontece que o leite integral possui mais gordura do que o desnatado, ou comum, e, isso, deixa a massa úmida e deliciosa.

 

Bicarbonato de sódio

Apenas uma colher de chá de bicarbonato de sódio já pode mudar completamente a massa do seu bolo. Esse ingrediente já vai deixar seu bolo mais leve e vai prevenir que ele resseque. Você pode tentar essa técnica nesse bolo de chocolate que vai ficar perfeito!

Bolo de chocolate
Bolo de chocolate

Umedecer

Provavelmente a dica mais conhecida para deixar o bolo molhadinho é fazer furinhos nele com um garfo e, depois, regá-lo com uma xícara de leite, isso já vai garantir uma massa mais úmida e cremosa. Mas ainda há quem indique regar o bolo com uma latinha de refrigerante. Mas, cuidado! Não exagere na quantidade e escolha sempre aqueles com sabor de guaraná.

Temperos que protegem o cérebro contra transtornos e doenças


Não é novidade que as ervas açafrão e cúrcuma são tradicionalmente usadas como especiarias na culinária. Mas, além de atribuir sabor aos pratos, esses temperos também possuem funções protetoras contra esclerose múltipla, doença de Alzheimer, doença de Parkinson, depressão, ansiedade, entre outras patologias, segundo estudos publicados no Journal of Traditional and Complementary Medicine e no National Center for Biotechnology Information.

Com base nos estudos sobre esses temperos, Paula Molari Abdo, farmacêutica pela USP, explica ao AnaMaria Receitas essa relação e como os ativos agem no organismo:

AÇAFRÃO

O açafrão é muito cultivado no Irã, na Índia e Grécia. O que poucos sabem é que o açafrão é o estigma de uma flor, da planta Crocus sativus. Cada flor dessas tem só três estigmas, sendo que, para obter 1 kg da especiaria, são necessárias cerca de 75 mil flores. Por isso, o açafrão é um dos temperos mais caros.

Seus componentes incluem picrocrocina, safranal, crocina e crocetina, substâncias químicas que agem como antioxidantes e coletores seletivos de radicais livres. Suas propriedades previnem quadros de depressão leve a moderada, ansiedade, distúrbios cognitivos e do sono. Segundo os estudos, a eficácia é comparável aos antidepressivos tradicionais.

A crocina também pode gerar efeito calmante nos neurotransmissores cerebrais, proporcionando maior capacidade de concentração. Além disso, o açafrão é uma fonte rica em riboflavina, a vitamina B2, sendo uma aliada para indivíduos propensos à enxaqueca.

Como pode ser usado

O açafrão é uma especiaria comum na culinária mediterrânea, usada especialmente na paella, prato típico espanhol. Também pode temperar arroz, caldos e massas. No Brasil, por ser um produto considerado caro, é bastante substituído por flores de calêndula e cártamo, que possuem propriedades semelhantes.

CÚRCUMA

Trata-se de um caule subterrâneo de origem asiática, da família do gengibre, também conhecido como açafrão-da-terra ou gengibre amarelo, cujo nome científico é Curcuma longa L.

Os compostos de curcuminoides (curcumina, desmetoxicurcumina e bisdesmetoxicurcumina) são polifenóis com efeitos anti-inflamatórios capazes de aumentar os níveis de dopamina e de hormônios que protegem o cérebro contra isquemias e doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla, Parkinson e Alzheimer.

Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, confirma que a curcumina pode ajudar a eliminar as estruturas associadas ao Alzheimer no cérebro. “A Curcuma longa L. age no Sistema Nervoso Central, tendo a curcumina como principal responsável pela ação neuroprotetora e antioxidante, atuando também nos quadros de depressão e ansiedade crônica”, reforça Paula Molari.

Como pode ser usada

Popularmente utilizada na culinária, sendo um dos ingredientes do curry, a cúrcuma possui um óleo rico em sesquiterpenos oxigenados que dá a característica aromática da planta (picante). Pode ser consumida em saladas, chás e cozidos.

No entanto, a curcumina, principal componente da cúrcuma, é pouco absorvida pelo organismo. Para otimizar a absorção, o ideal é combinar a cúrcuma com piperina (um extrato de pimenta preta). Segundo uma pesquisa publicada no Healthline, a piperina aumenta a absorção de curcumina no corpo em até 2.000%.

Para obter os benefícios, tome 1.500 mg de curcumina e 15-20 mg de piperina por dia. Além disso, a curcumina e os curcuminóides podem ser extraídos e consumidos como suplementos, proporcionando uma eficácia maior do que a cúrcuma isolada.

“Independentemente do ativo, lembre-se que é fundamental haver uma orientação médica para o consumo de alimentos e suplementos com fins terapêuticos”, alerta Paula Molari Abdo.