Sabia que uma dieta rica em açúcar pode “viciar” o cérebro?

Pesquisas apontam que o açúcar em excesso pode ser tão viciante quanto drogas ilícitas. Saiba mais aqui no AnaMaria Receitas.
Foto: Pixabay

Nada melhor que um chocolate após o almoço, um sorvete em dias quentes ou qualquer docinho depois de um dia estressante, não é mesmo? Os docinhos nos acompanham desde nossa infância em momentos felizes e de comemorações, e até mesmo em momentos tristes, como uma forma de recompensa. Afinal de contas, pode atirar a primeira pedra quem nunca afogou as mágoas em alimentos cheios de açúcar como uma tentativa de se sentir melhor? Afinal, que mal tem comer docinhos deliciosos? 

Publicidade

Por mais que sejam saborosos e praticamente reconfortantes, os docinhos e o excesso de açúcar podem gerar problemas de saúde como a diabetes, ganho de peso, dores de cabeça e desequilíbrios hormonais. Além disso, há evidências crescentes de que muito açúcar na dieta pode ser tão viciante quanto algumas drogas e ter efeitos semelhantes no cérebro. 

Dito isso, o AnaMaria Receitas vai te explicar o efeito que o açúcar pode causar no seu organismo e como uma dieta rica em doces pode acabar viciando o cérebro. Venha conferir!

Antes de tudo, o que é um vício?

O vício é uma disfunção crônica do cérebro que envolve o sistema de recompensa. Com isso, podemos dizer que quando uma pessoa é viciada em algo, o corpo dela está desejando uma substância ou atitude compulsiva, buscando exageradamente por algo. 

Ou seja, o uso de alguma substância, ou alguma atitude pode gerar um êxtase, um prazer no seu organismo, que automaticamente ativa o sistema de recompensa do cérebro. Isso acontece graças à dopamina, que é um neurotransmissor que participa do “circuito de recompensa” e está associado ao comportamento aditivo. 

Publicidade

Então, quando um comportamento causa a liberação excessiva de dopamina, você sente a necessidade de experimentar novamente, repetindo o comportamento para sentir o mesmo efeito inicial. 

Qual a relação do vício com o açúcar?

Sendo assim, ao comermos açúcar, o nosso cérebro libera opióides e dopamina em nosso corpo, o que leva a comportamentos compulsivos. A endocrinologista Myrna Campagnoli explicou sobre esse vício em uma entrevista ao portal Metrópolis: “O açúcar estimula a liberação de endorfina e outras substâncias neurotransmissoras no cérebro que causam sensação de prazer. Por isso que após um dia exaustivo, cansativo, a gente pensa: ‘Eu mereço um doce’. É o cérebro tentando encontrar uma maneira rápida e fácil de prazer”.

Isso foi comprovado em pesquisas feitas com ratos do Connecticut College, que evidenciaram que biscoitos recheados ativam mais neurônios no centro de prazer do cérebro dos animais do que a cocaína, e assim como nos humanos, os ratos comem primeiro o recheio.

Publicidade

Pesquisadores da França ainda relacionam a ligação que é feita pela mídia e manchetes exageradas entre o açúcar e as drogas ilegais, como a cocaína. Eles determinaram que as recompensas experimentadas pelo cérebro, depois de ingerir açúcar, são ainda mais gratificantes do que os efeitos da cocaína. 

Qual a relação do vício com o açúcar? Foto: Pixabay
Qual a relação do vício com o açúcar? Foto: Pixabay

Efeitos do açúcar em excesso no organismo

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no máximo 10% das calorias diárias devem ser originadas do consumo de açúcar. Entretanto, o mais indicado para a saúde é reduzir esse percentual para 5%, ou seja, (25g ou 5 colheres de chá). 

Além do vício citado anteriormente, o açúcar em excesso pode ser extremamente prejudicial para a nossa saúde, aumentando, a longo prazo, o risco de obesidade e diabetes e, em curto prazo, pode afetar diversos órgãos do corpo, aumentando o risco de AVC, de falha dos rins, inflamação do fígado, desequilíbrio da flora intestinal, além do surgimento de acnes.

Publicidade
Efeitos do açúcar em excesso no organismo - Foto: Pixabay
Efeitos do açúcar em excesso no organismo – Foto: Pixabay

Como me livrar do vício pelo açúcar?

Para quem é viciado em doces, saiba que existe uma solução. Primeiro é necessário entender que você tem esse vício, depois, é recomendado a procura de ajuda de profissionais especializados, como psicólogos e nutricionistas para auxiliarem na melhora do estresse diário, a relação do paciente com a comida, reeducando o paladar, a reeducação alimentar, entre outros.