Para além do paladar: comendo com todos os sentidos

Já parou para pensar em como seus outros sentidos estão relacionados com o sabor da comida? O AnaMaria Receitas te conta mais sobre o papel dos nossos sentidos na alimentação.

Quem nunca julgou um alimento pela sua aparência, textura ou até mesmo o som que ele faz quando mastigamos? Isso é natural do ser humano e está intimamente relacionado com o nosso instinto de sobrevivência animal, ou seja, quando uma fruta está com uma cor estranha ou mole demais sabemos que não está boa para o consumo. Mas nossos sentidos vão muito além disso. Veja a seguir com o AnaMaria Receitas a importância de incluir todos os sentidos na alimentação. 

Publicidade

Nosso paladar tem preferências 

Localizadas na nossa língua, as papilas gustativas são as responsáveis por diferenciar um alimento salgado do doce, azedo, amargo e umami (um gosto específico de certos temperos). Mas as preferências que temos na alimentação não condiz apenas com o gosto da comida. A textura também é uma parte importante. 

Por causa dela, muitas pessoas torcem o nariz ao ver algumas frutas, como mamão ou banana e, por mais que alguns chamam de “paladar infantil”, esse comportamento é perfeitamente normal. O nome correto para essa preferência é seletividade alimentar. Assim como temos gostos musicais ou de filmes, nosso paladar também tem suas manias e jeitos de se adaptar às comidas. Contudo, nos privar de certos alimentos pode ser prejudicial à saúde. 

É natural termos um gosto mais inclinado para o doce durante a infância e estudos comprovam que isso tem a ver com a placenta e o leite materno que naturalmente são adocicados. No entanto, é importante educar nosso paladar desde cedo e aprender a gostar de outros grupos alimentares para que nosso organismo receba todos os nutrientes fundamentais. 

Por isso, precisamos entender se um alimento não nos agrada por causa do sabor ou da textura, afinal, podemos prepará-lo de diversas maneiras e assim incluí-lo no cardápio. Seja por vitaminas de frutas ou legumes cozidos, o importante é manter uma alimentação equilibrada, nutritiva e prazerosa.  

Publicidade

Olfato é um supersentido 

O gosto e o cheiro se complementam. Foto: Pixabay

Seguindo para um sentido que está intimamente ligado ao sabor da comida: o olfato. Ele atua em conjunto com o paladar e faz com que sintamos, em detalhes, o gosto de cada mordida. Isso acontece porque temos muito mais receptores nervosos no nariz e, por isso, sentimos mais sabor quando conseguimos sentir o cheiro.

Além de realçar o sabor, o olfato também pode abrir seu apetite. Quem nunca passou na frente de uma padaria e ficou com vontade de um pão fresco só pelo cheiro? Essa reação é perfeitamente normal, tanto que nosso corpo deixa o olfato mais apurado para que você perceba a fome. Incrível, não?

Mas para além dos gostos, o olfato também é capaz de nos conectar com as comidas de uma forma sentimental. Por exemplo, isso ocorre quando sentimos o cheiro de alguma comida da nossa infância. A razão disso, de acordo com o texto “Os Mistérios do Olfato” da Fapesp, se dá pelo caminho que o cheiro percorre por meio de nossas recepções nervosas e chega ao hipocampo, região do cérebro onde estão nossas emoções e memórias. Dessa forma, o olfato consegue ter uma relação íntima com as lembranças e sentimentos do ser humano e isso torna a alimentação bem mais prazerosa e completa. 

Publicidade

O sexto sentido é cozinhar

Alimentação consciente. Foto: Pixabay

A visão, o tato e a audição também fazem parte do ritual de cada refeição, mesmo que mal percebemos. Sentir o pedaço de pão ao cortá-lo e identificar se está fresco ou amanhecido é um bom exemplo, ou até mesmo quando dizemos que estamos “comendo com os olhos” e “fiquei com fome só de ouvir”. 

Por serem receptores mais “fracos” durante a degustação dos alimentos, é comum ignorá-los. Porém, perceber o que você espera sentir, ver e ouvir durante a refeição é importantíssimo para que a experiência seja completa e bem mais prazerosa. 

Uma forma de fazer com que todos os sentidos se unam é colocando a mão na massa. Cozinhar, além de dar mais autonomia na alimentação, também proporciona um contato bem maior com a comida, fazendo com que a degustação seja apreciada com todos os sentidos do corpo, desde cortar a cenoura até ouvi-la fazer “croc”.

Publicidade

Fora isso, sentir a comida de todas as formas que há é um dos princípios da alimentação consciente. De acordo com o Hospital IGESP (Instituto de Gastroenterologia de São Paulo), o “Mindful Eating” traz benefícios à saúde de forma que nos instiga a fazer escolhas mais espertas nas nossas refeições. Ao prestar atenção no alimento à nossa frente, conseguimos perceber, além de tudo, os efeitos que eles trazem ao corpo, sejam eles positivos ou negativos. 

Por isso, dê uma pausa na TV ou no celular e aprecie a comida completa. Escute o som do queijo fervendo, ou sinta o cheiro do manjericão. Fazer com que seu organismo entenda o alimento como algo além da simples cura para a fome é essencial para uma vida saudável e mais prazerosa. 

Publicidade