Alimentação durante a gravidez: o que comer e o que evitar

Se você é uma futura mamãe e está na dúvida de como se alimentar nesse período tão especial, o AnaMaria Receitas vai te dizer, com a ajuda da nutricionista Luiza Soares, como deve ser sua alimentação. Confira!
Foto: Pixabay

A alimentação saudável e equilibrada é importante em todos os momentos da vida, mas durante a gravidez, o cuidado com a alimentação deve ser ainda maior, pois, durante essa fase, a mulher não está nutrindo apenas o seu organismo, mas também está alimentando uma nova vida através do cordão umbilical, que recebe os nutrientes provenientes do sangue da mãe. É exatamente por isso que o que você come, pode ser determinante para uma boa gestação. 

Publicidade

Se você, futura mamãe, já ouviu essa ideia de que durante a gravidez você tem que “comer por dois”, saiba que essa esse pensamento já caiu por terra, afinal, durante esse fase da vida, o ideal é fazer escolhas mais saudáveis e ganhar o peso necessário apenas para  o aumento dos tecidos maternos e desenvolvimento fetal. Caso contrário, o excesso de peso pode trazer diversas consequências negativas para a saúde da mãe e do bebê. 

Assim como comer demais pode ser prejudicial, as dietas restritivas também podem afetar a saúde das mamães e dos bebês. Por isso, nada substitui um acompanhamento nutricional durante a gestação, pois o profissional vai preparar uma dieta específica para você, pensando em quais alimentos trazem mais benefícios durante esse período. 

Entretanto, existem alguns alimentos nutritivos que você, futura mamãe, deve incluir na sua dieta. Existem também alimentos que não são muito indicados e o AnaMaria Receitas vai te contar quais são, qual a importância de uma alimentação saudável durante a gravidez, os efeitos de uma má alimentação além de dar dicas para aliviar os enjoos e vômitos. Venha conferir! 

A importância da alimentação durante a gravidez

É importante entender a função que a alimentação possui em nossas vidas, principalmente durante o período gestacional, em que a alimentação saudável e equilibrada vai fornecer os nutrientes necessários à mãe, que como consequência terá uma gestação tranquila. Além disso, os benefícios vão além gravidez, pois os alimentos corretos asseguram que a mulher tenha reservas biológicas necessárias também para a amamentação. E, como consequência, a alimentação do bebê será favorecida e seu sistema imunológico ficará intacto. 

Publicidade

“Com uma alimentação saudável conseguimos manter um ganho de peso adequado, nutrir o bebê e prevenir diversas intercorrências como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia e restrição de crescimento intrauterino”, afirma a nutricionista materno infantil Luiza Soares.  

Quais os riscos de uma má alimentação durante o período da gestação?

Por mais inofensiva que pareça, a alimentação possui um papel importante quando falamos da nossa saúde e bem estar e, no caso das futuras mamães, não seria diferente. 

Luiza Soares conta que uma má alimentação durante o período gestacional pode causar o excesso de peso, e com isso, aumentam riscos durante o parto, riscos de desenvolver anemia, o desenvolvimento da criança pode ser afetado, e para ambos, a tendência à obesidade aumenta, assim como as doenças cardiovasculares e diabetes. 

Publicidade

O que não pode faltar no prato?

Segundo a nutricionista, a alimentação durante toda a gravidez deve ser rica em legumes, frutas, cereais integrais, verduras, leites e derivados, além de fontes de proteínas como carnes brancas e magras. Segue alguns exemplos principais:

  • Legumes no geral, que são fontes de vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes, nutrientes essenciais durante a gestação. Seu consumo ajuda a prevenir o nascimento prematuro, desenvolvimento de anomalias congênitas e ganho de peso gestacional excessivo. Cenoura, abóbora, leite, iogurte, ovos, brócolis e pimentão amarelo, são essenciais nesse período por serem ricos em vitamina A;
  • Produtos lácteos e alimentos fortificados com vitamina B12;
  • Abacate, azeite de oliva extra virgem, frutas secas, nozes, chia e semente de linhaça, para aumentar a concentração de ômega 3;
  • Vegetais escuros, gergelim, frutas secas e leite para obter cálcio;
  • Feijão, amendoim, castanhas de caju e do Pará, ricas em zinco;
  • Frutas no geral que são ricas em fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes. As fibras presentes nesses alimentos contribuem para o funcionamento saudável do intestino. preferência para o consumo da fruta inteira em vez de sucos, mesmo os naturais, porque os sucos feitos a partir da fruta não fornecem os mesmos benefícios e nutrientes que o consumo da fruta inteira.

É importante ressaltar que a gestante deve preparar legumes e carnes grelhados, ou cozidos, principalmente quando falamos das carnes, para evitar a intoxicação alimentar e também a toxoplasmose. 

Além desses alimentos, o Guia Alimentar para Gestantes, criado pelo Ministério da Saúde, ainda acrescenta algumas opções essenciais: 

Publicidade
  • Vísceras, como fígado, são alimentos fontes de ferro e vitamina A, nutriente essencial nessa fase da vida. 
  • Estimule o consumo de água potável nos intervalos entre as refeições. Água é fundamental na gestação para melhorar a circulação sanguínea e a irrigação do útero e da placenta, manter o líquido amniótico em níveis adequados, estabilizar a pressão arterial, além de eliminar toxinas que aumentam o risco de infecção urinária. Além disso, previnem a desidratação e a constipação, situações comuns nesse evento da vida.
  • O consumo de peixes na gestação é recomendado por conta dos ácidos graxos, ômega-3 provenientes desses alimentos, essenciais para o desenvolvimento do cérebro fetal, melhor visão em bebês prematuros, bem como melhor saúde cardiovascular durante a vida. Devem ser priorizados peixes com alto teor de ácidos graxos ômega-3, como sardinha e salmão.
Opte por comidas saudáveis! - Foto: Pixabay
Opte por comidas saudáveis! – Foto: Pixabay

O que evitar durante a gestação?

Além dos alimentos que  a mamãe deve incluir na dieta, existem alguns que devem ser evitados, pois podem conter toxinas nocivas para o bebê, ou pelo risco de contaminação com bactérias que podem enfraquecer o sistema imunológico da mãe, afetando diretamente a criança. 

A nutri Luiza aconselha que as gravidinhas devem evitar o açúcar, gorduras e frituras em excesso. Além disso, o Guia Alimentar para Gestante recomenda que a gestante evite os seguintes alimentos:

  • Bebidas adoçadas como refrigerante, suco de caixinha, suco em pó e refrescos (bebidas ultraprocessadas) por conterem uma grande quantidade de açúcares, aromatizantes, corantes e outros aditivos. A ingestão pode piorar sintomas comuns na gestação, como náuseas e vômitos, além de contribuir para o desenvolvimento de diabetes gestacional, ganho de peso excessivo nas mulheres e maior probabilidade de excesso de peso em crianças na primeira infância;
  • Produtos ultraprocessados como hambúrgueres, embutidos, macarrão instantâneo, bolachas salgadas, doces ou recheadas e guloseimas. Esses alimentos são nutricionalmente desbalanceados, ou seja, ricos em gorduras, açúcares e sódio e pobres em fibras, vitaminas e minerais. O consumo está relacionado ao ganho de peso gestacional excessivo e a maiores dificuldades para a perda de peso após o parto;
  • Álcool deve ser proibido durante a gestação, pois afeta o desenvolvimento do bebê.

Há uma estimativa de quantos quilos a mulher deve engordar durante a gestação?

O excesso de peso durante a gestação é muito temido pelas futuras mamães, afinal, para quem se preocupa com o peso, quilinhos a mais são sempre um motivo de incômodo. Mas saiba que ganhar peso é normal nesse período, a preocupação seria se a mãe perdesse peso. Entretanto, ganhar peso demais também é um problema. 

Publicidade

Segundo a nutricionista, o ganho de peso vai depender do peso pré-gestacional, mas existe uma base de recomendada de faixas de peso ideal durante a gestação, baseado no Institute of Medicine (IOM): 

No caso de gestação de feto único, o ganho de peso total (kg) recomendado é:

  • Gestantes com baixo peso pré-gestacional: entre 12,5 e 18 kg;
  • Gestantes com peso adequado pré-gestacional (eutróficas): entre 11,5 e 16 kg;
  • Gestantes com sobrepeso pré-gestacional: entre 7 e 11,5 kg;
  • Gestantes com obesidade pré-gestacional: entre 5 e 9 kg.
Há uma estimativa de quantos quilos a mulher deve engordar durante a gestação? - Foto: Pixabay
Há uma estimativa de quantos quilos a mulher deve engordar durante a gestação? – Foto: Pixabay

Como aliviar enjoos e vômitos durante o período gestacional?

Algumas mamães podem sofrer com os sintomas mais clássicos durante a gravidez que são os enjoos e vômitos, sintomas esses que podem durar até o final da gestação, dependendo do caso. 

Para evitar esses sintomas, a alimentação pode ser sua melhor aliada. Por isso, a nutricionista recomenda o consumo de água com gás, líquidos bem gelados, água com limão, chá de gengibre, maçã verde e limão. 

Além disso, optar por alimentos mais frios e menos temperados podem ajudar nesse período, já que exalam menos cheiro e causam menos mal estar.